De São Lourenço, voltar ao Portal de entrada da cidade e seguir uns 15 km até o entrocamento que levaria a Caxambu seria pura perda de tempo.

 

 

Basta contornar o Parque das águas e seguir em direção ao aeroporto, que fica defronte ao excelente Hotel Fazenda Ramon.

 

 

De lá, uma boa estrada leva a Soledade de Minas (há um trem – Maria fumaça – que leva de São Lourenço a Soledade e volta) e mais adiante, uma Rodovia federal leva à esquerda para Cambuquira e para a direita, Caxambu.

 

 

Em menos de meia hora estávamos deixando as malas no Palace Hotel e rumamos para o Parque das Águas.

 

 

O Hotel é um quarteirão inteiro com entradas nos quatro lados. Casarão centenário que consta do Diário da Princesa Isabel...

 

 

No quarto e na recepção, telefones e rádios do início do século XX mostram a nostalgia do lugar. Caxambu tem um comércio menor no centro e é o lugar ideal para quem quer paz e sossego para descansar. Os hotéis normalmente são com etapa completa (café, almoço e janta) e não é errado dizer que só tempos para fazer, passear no parque, comer e dormir.

 

 

O atendimento no Palace é maravilhoso e, no restaurante, o garçon Kaka e Juliana, nos culminaram com atenção.

 

 

No comércio algumas lojas chamaram a atenção pela hospitalidade e carinho no trato dos visitantes. A Patricia do Minas Brasil, juntou isso com uma bela organização e funcionalidade de sua loja, ali no centrinho onde aproveitei para comprar várias camisetas (T-shirt) de cores variadas e uma bermuda.

 

 

Quanto ao artesanato, recomendo a loja 30 da Maria Rita na porta do Parque. Compramos um avental para nosso adoçante, uma graça...

 

 

Mas vamos ao Parque das Águas. Logo na entrada, impressiona uma aléa de Plátanos, arvore canadense cujas folhas são o emblema nacional daquele país e cujo tronco rajado, é o encanto da Mergulhinha.

 

 

Belos jardins, um velho coreto do tempo das famosas bandinhas já mostrando sinal de decadência. O Balneário, bem pintado, é o cartão de visitas junto com a fonte D. Pedro, que não permite o acesso ao público mantendo um funcionário permanentemente para servir água aos visitantes.

 

 

Mas as fontes são incômodas, pois todas ficam em um poço e o sobre desce de escadas contrasta com os visitantes, na maioria da terceira idade ou portadores de necessidades especiais... Coisa antiga que já deveria ter sido mudada há décadas, equiparando-se às de São Lourenço, mais acessíveis.

 

 

Outro sinal de decadência, as tabuletinhas com informações técnicas sobre cada fonte, algumas quebradas, em mau estado e outras, nem existem mais...

 

 

Mas no Hotel (Palace), consegui um folheto que passo a transcrever.

 

As fontes de Caxambu são em número de dez e infinitamente mais saborosas que as de São Lourenço:

 

1) Dona Leopoldina (minha preferida) – Água mineral, carbogasosa, bicarbonatada, alcalina terrosa, alcalina terrosa cálcica, fluoretada e radioativa. Atua estimulando a digestão. Normaliza as funções hepatobiliares.

2) Duque de Saxe – Água alcalina bicarbonatada, alcalina terrosa, alcalina terrosa cálcica, alcalino terrosa magnesiana, fluoretada, carbogasosa. Esta água contém enxofre dissolvido em pequenas quantidades, possuindo efeito medicinal comprovado. Ação colagoga, atuando no fígado e vesícula biliar, aumentando a produção de bile e a contração da vesícula; fluidifica a bile e dissolve calculose de vias biliares; combate a estase intestinal, com efeito peristáltico e laxativo. Antisepsia e desintoxica o aparelho digestivo, melhorando a defesa do organismo.  O gás sulfídrico, disponível no inalador da fonte, é indicado para o sistema respiratório em casos alérgicos e suas complicações.

3) D. Pedro – Água mineral carbogasosa, bicarbonatada, alcalina terrosa, fluoretada, radioativa forte.  Reforça o estímulo da digestão, esvaziando rapidamente o estômago. Indicada para dispepsias e digestões lentas ou insuficientes. Estimulante do apetite. Sua fonte radioativa purifica o sistema hepato-renal, diluindo a bile e a urina, facilitando a expulsão de resíduos da vesícula biliar e das vias urinárias.

4) Viotti – Água mineral, fluoretada, ferruginosa, carbogasosa, radioativa. Efeito diurético e depurativo. Estimula a função renal deficiente. Sua forte radiotividade (radônio) aumenta a diurese e a eliminação de ácido úrico, dissolvendo os cálculos renais e biliares e as concreções artríticas. Normaliza a pressão artereial. Isto porque melhora o tônus do miocárdio e vascular, graças a benéfica influência sobre a fibra muscular. Nos hipertensos nos quais costuma existir um fator espasmódico, a radioatividade faz cessar o espasmo, o que provoca o abaixamento da pressão arterial.

5) Mayrink – Mayrink I: Água mineral carbogasosa, radioativa.

6) Mayrink II e III: carbogasosa, fluoretada, radioativa.  A Fonte 3 é usada no engarrafamento.

7) Beleza – Água minelal alcalina bicarbonatada, alcalijno terrosa cálcica, alcalino terrosa magnesiana, ferruginosa, fluoretada, carbogasosa e radioativa. Sua água multimineralizada equilibra o complexo eletrolítico do meio humoral do organismo. Age sobre a vida celular e sobre órgãos, estimulando e tonificando o organismo. Muito rica em minerais e fracamente radioativa, potencializada pelo gás carbônico, revigora a pele.

8) Venâncio – Água mineral alcalina, carbogasosa, alcalino-terrosa-bicarbonatada, cálcica, magnesiana, fluoretada, radioativa.  Sua ação radioativa em conjunto com sua riquesa de magnésio a transformam em bom medicamento para o sistema cardiovascular e nervoso. O magnésio atua como miorelaxanteneuro muscular, calmante do sistema nervoso; melhora transtornos do coração. A radioatividade (radônio) melhora o tônus do miocárdio e vascular, graças à benéfica influência sobre a fibra muscular. A radioatividade faz cessar o espasmo vascular dos hipertensos, abaixando a pressão arterial.

9) Conde d’Eu e Princesa Isabel – Água mineral bicarbonatada, alcalina terrosa cálcica, alcalino terrosa magnesiana, ferruginosa, carbogasosa, fluoretada e radioativa. Esta fonte é a mais indicada como tônico geral com ação anti-anêmica. Indicado para casos de debilidade do organismo e astenia. Além de ferruginosa, possui radioatividade e outras riquezas como o magnésio, cálcio, flúor, sílica e estrôncio. É um verdadeiro alimento vivo.

10) Gêiser (fonte Floriano de Lemos) – Seus banhos medicinais são indicados para afecções cutâneas, eczemas crônicos, dermatoses pruriginosas, neurodermite, úlceras tópicas; artropatias crônicas degenerativas. Reumatismo gotoso. Seqüelas reumáticas crônicas.

 

 

Como visto a Viotti com 73.9 U Mache é a fonte mais radioativa, mas, estas propriedades (radioatividade) só existem na fonte. Ao engarrafarmos e levarmos para casa a maioria dessas águas, elas perdem suas propriedades e, na maioria dos casos, mudam até o sabor.

 

 


 

Joomlashack