- Excelentíssimo Senhor General de Exército ENZO MARTINS PERI; antigo Comandante do Exército

 

- Excelentíssimo Senhor General de Exército WALTER SOUZA BRAGA NETTO,Comandante Militar do Leste;

 

- Excelentíssimo Senhor General de Divisão LAERTE DE SOUZA SANTOS, Comandante da 1a Região Militar

 

- Exmo Sr Gen Div Mauro Sinott Lopes, Comandante da 1ª Divisão de Exército,

 

- Exmo Sr Gen Div Riyuzo Ikeda, Diretor de Patrimônio Histórico e Cultural do Exército,

 

- Exmo Sr Gen Bda Adilson Carlos Katibe, Comandante da Artilharia Divisionária da 1ª DE

 

 

Ao cumprimentá-los manifesto nossa alegria em receber todos os militares da reserva e da ativa aqui presentes;

 

- Autoridades civis, amigos, familiares, Senhoras e Senhores convidados, meus comandados do Grupo Monte Bastione.

 

BOM DIA!

 

 

1736.

Dom João V determina a criação do Corpo de Artilharia do Rio de Janeiro, primeira denominação do nosso atual 21º GAC. Sua missão era guarnecer todas as fortificações da região da Baia de Guanabara.

 

            Para esta missão pioneira, Portugal se valeu de dois artilheiros experientes, o Mestre-de-Campo André Ribeiro Coutinho e o então Sargento-Mor José Fernandes Pinto Alpoim. Eles foram respectivamente o 1º Comandante e o 1º Subcomandante do Grupo.

 

            Este último escreveu uma rica história no Grupo, no Rio de Janeiro e no Brasil.

 

            Alpoim recebera a missão de instruir os artilheiros da recém-criada Unidade e, para tal, escreveu um livro batizado de “Exame de Artilheiros”, que é, para alguns historiadores, o primeiro livro escrito no Brasil.

 

            Figura de destaque da sociedade, foi ainda integrante da Comissão que governou provisoriamente as Capitanias do Rio, São Paulo e Minas.

 

            Os talentos e capacidades de Alpoim, nosso 1º Subcomandante eram, sem dúvida, de amplíssimo espectro, revelando-se, além de destacado oficial de artilharia, engenheiro, arquiteto, urbanista, topógrafo, matemático, demarcador e governador substituto.

 

 Algo do seu legado encanta até hoje cariocas e turistas, como, por exemplo, o Arco do Teles, o Paço Imperial e a Casa do Trem, instalação que abriga atualmente o Museu Histórico Nacional.

 

Não por acaso nosso 1º subcomandante foi escolhido em 2003 para emprestar a denominação histórica da nossa querida Comissão Regional de Obras da 1ª Região Militar. Ele personificou a ligação que existe entre artilheiros e engenheiros, desde o Brasil Colônia.

           

            Aproveitamos essa ligação para agradecer a todos os escalões do Sistema Engenharia, aí envolvidos o DEC, a DOM, a 1a RM e a CRO/1, Comissão Brigadeiro José Fernandes Pinto Alpoim.

 

            A todos nossa gratidão pela fidalguia e atenção no trato diário, fazendo com que esses 20 (vinte) meses se passassem da maneira mais harmônica possível.

 

            Agradecemos também o apoio e o incentivo de toda a cadeia de comando, desde o Comando do Exército, o Comando Militar do Leste, à 1ª Divisão de Exército, o Comando da AD/1 e aos antigos Comandantes, que, incansavelmente, até mesmo após passarem o comando, se empenharam em cuidar do bem mais valioso da nossa Força: seus homens e mulheres.

 

            Nossa Unidade compreende o significado de receber uma obra de tal vulto em tempos de austeridade e se compromete desde já a dela cuidar com o zelo devido.

 

Soldado do 21o GAC,

 

            Militar versátil que cumpre das mais variadas missòes possíveis, desde realizar fogos de artilharia rápidos e precisos, até apoiar a familia militar operando hoteis, centro de convenções, praias, fortes, preservar uma significativa reserva de Mata Atlântica e atuar em operações reais de Garantia da Lei e da Ordem,

 

            A frente de vocês estão líderes militares que se empenharam muito para fazer entregar a obra que ora se inaugura e que muito nos honram com suas presenças.

 

            Com a certeza de que nesta Ala se materializa um fato marcante dos 281 anos de glórias do Grupo, queria externar nossa gratidão chamando nossa Unidade a se fazer ecoar pelas montanhas que nos rodeiam.

 

               Prezados chefes, caros convidados, artilheiros se expressam melhor com suas bocas de fogo.

              Assim, para dar o nosso mais sincero muito obrigado, chamamos a peça Monte Bastione, autora do 1o tiro da artilharia brasileira na Força Expedicionária Brasileira e mascote da Unidade a se pronunciar:

 

             Tropa, Bastione !

 

A tropa respondeu: Artilharia, Brasil !

 

(A peça efetuou um tiro de salva)

 

 

 

No coquetel entregamos o estojo ao Ch CRO/1

 

Com a histórica ligação entre as duas Unidades – nosso 1º subcomandante empresta o nome da designação histórica da OM – não poderíamos esperar nada diferente. Assim fazendo.

 

 

 


 

Joomlashack