Continuação de: Os 282 anos do 21º Grupo de Artilharia de Campanha

 

 

 

Vimos na primeira parte deste artigo, a despedida informal do Gen Katibe aos Oficiais, Subtenentes e Sargentos do 21º GAC uma vez que na próxima terça dia 17, passa o Comando da AD/1 seguindo para o Estado-Maior do Exército em Brasília.

Os convidados iam chegando e se dirigindo ao PC do Comando onde o TC Júlio recebia a todos.

Quando chegaram os pais do Cel Batouli, Comandante anterior do Grupo Monte Bastione, me pediram para recebê-los, pois o Comandante estava com os Generais Ney, Pinto Silva e Katibe o que fui fazer com muito prazer.

Depois que todos se dirigiram ao Pátio Presidente Médice e se instalaram no palanque, a tropa entrou cantando a velha Canção da ARTILHARIA DE COSTA, que sempre emociona este velho Artilheiro.

Prestadas as Honras Militares ao General Katibe, o Major Backer apresentou a tropa e foi autorizado a continuar.

O Comandante leu um texto alusivo, brilhante páginas de nossa história que passo a publicar na íntegra para este podo que só pensa em futebol...

Texto alusivo aos 282 anos do 21 GAC

Depois ouvimos as palavras do Gen Katibe que disse que um povo que não cultua seus heróis, grandes vultos de sua história e valores, não terá futuro algum.

Em 1736, a Unidade estava ali naquela praia chamada de Praia de Fora. Depois, o 21 GAC passu por vários aquartelamentos e nomes, em 1889 estava no Campo de Santana "fazendo" a proclamação da República, passou por todas as revoluções e guerras, fez o primeiro tiro de Artilharia na Itália na II Guerra, primeiro tiro fora da América Latina, e, como lembrou o General Katibe em sua fala, voltou ao sítio histórico onde começou em 1736.

Ao final a tropa desfilou em continência ao Comandante da Artilharia Divisionária da I Divisão de Exército.

 

 

 

 


Parte 1: Os 282 anos do 21º Grupo de Artilharia de Campanha

 

Joomlashack