Lá, ouvimos as despedidas do Gen Schwingel, o elogio que recebeu, lido pelo General Negraes, ouvimos o currículo do Gen Mário e os três ocuparam suas posições diante da Guarda Bandeira para a transmissão do cargo, tendo ali a presença de vários antigos Comandantes.

 

 

 


 

 

 

Como vimos no artigo anterior, Reconhecimento ao General Schwingel, só cheguei à tarde, recebido no aeroporto pelo Tenente Botosso que levou-me a conhecer uma de sua paixões, a bela Base Escoteira para treinamento e educação ambiental dos jovens goianos.

 

Hospedou-me em sua casa pois os Hotéis de Trânsito de Oficiais estavam todos lotadas pelo prestígio de ambos os Chefes que no dia seguinte trocaram de lugar.

 

 

Este velho soldado estava quando o General Sinott passou o Comando para o General Schwingel, seu antigo CHEM, e agora, retorno esta bela e aconchegante capital, para prestigiar outro bom amigo, o General Mário Fernandes.

 

E realmente o evento foi muito prestigiado, pois muitos Chefes do Alto Comando são “gorros-pretos” e passaram por esse importante comando, ninho e berço dos Comandos e Forças Especiais.

Lá estavam o General de Exército Mattos do STM (mais antigo da ativa presente), Cid do DECEX, Ramos do CMDE, Nardi do CMA e General de Divisão Negraes do CMP, chefe imediato que presidiu a passagem de Comando.

Como cheguei bem cedo, pude cumprimentar os Chefes amigos como o General Pereira Gomes, Vasconcellos, Montenegro e tanto outros que iam chegando para a inauguração do retrato.

Foi bom também encontrar o Major Albuquerque (Deco para os amigos) antigo Tenente instrutor do CPOR do Rio de Janeiro onde dividimos tantas noites jamais dormidas em Exercícios de Patrulha do Curso de Cavalaria no DCMun.

O primeiro ato oficial do Comandante Sucessor é justamente a inauguração do retrato do Comandante Sucedido e, como disse, muito prestigiada, contou até com a presença do Governador do Estado.

Após a fala do General Mário, do Chefe imediato (CMP), do General Negraes, a esposa do General Schwingel inaugurou seu retrato naquela gigante e pequena galeria de eternos comandantes sob aplausos e fomos para o pátio onde a tropa aguardava.

Lá, ouvimos as despedidas do Gen Schwingel, o elogio que recebeu, lido pelo General Negraes, ouvimos o currículo do Gen Mário e os três ocuparam suas posições diante da Guarda Bandeira para a transmissão do cargo, tendo ali a presença de vários antigos Comandantes.

A cerimônia termina sempre com um desfile da tropa ao novo Comandante, e, em se tratando daquela GU especial, assistimos a um salto livre nos alvos colocados à frente do palanque.

Ainda fomos convidados a irmos ao local denominado Fazendinha para degustar uma costelada ao fim da qual, uma interminável fila dos comandados aguardavam a saída do Gen Schwingel para um último abraço, quando ele entrou em seu carro e seguiu para o Rio de Janeiro onde será o CHEM do Comando Militar do Leste e Intervenção Federal na Segurança Pública, mais uma missão para um “Força Especial”!

- Força & Honra!

 

 

 


 

Joomlashack