Mas com o número grande de competidores, eu, o Maj Marcelo e o Ivan, passamos apenas na nossa Pista 3 e deixamos para fazer as duas outras no final, lá pelas 14 horas. Honestamente, eu septuagenário, estava quase desfalecendo. Apesar de beber bastante sentia-me desidratado e a cabeça quente com o sol forte onde deixei de usar boné por estar suando abundantemente. Como, com todas essas dificuldades, ainda consegui um primeiro lugar, cabe a Deus e esse lugar mágico que é a AMAN essa responsabilidade. Ou meus competidores poderiam estar mais afetados que eu...

 

E chegou o esperado dia da COPA de TIRO DEFENSIVO IDSC na AMAN 2015. A alvorada aqui em casa foi cedo, 04:00 horas, pois havia combinado de dar carona para os amigos Marcelo Trotti e Ivan Aquino, que apanhei pontualmente às 05:00 horas.

 

 

Às 07:30 h cruzávamos o portão monumental da Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende – RJ.

 


A enorme Seção de Tiro da AMAN

 

 

 

No dia anterior, na Casa de Hóspedes da imensa Seção de Tiro da AMAN, cujo Instrutor-Chefe é o Major Harrison e o instrutor que nos recebeu e organizou a competição foi o Capitão Felipe Vieira, um dos agraciados, chegaram o Major Marcelo Augusto (campeão absoluto) que serve em Corumbá e veio requisitado para montar as pistas, o Tenente Sergio Bitencourt, Presidente da CBTD – Confederação Brasileira de Tiro Defensivo e o Ten Mauro Lúcio de Juiz de Fora. 

 

 

Logo reunimos os Cadetes e demais participantes, civis e militares, inscritos no site da CBTD (vieram atiradores do Rio, de Caçapava onde o 6º BIL introduziu o Tiro defensivo naquela cidade, São Paulo e Juiz de Fora) e o Major Marcelo Augusto correu cada uma das três Pistas não só passando o briefing de cada uma como dando uma série de explicações sobre técnicas do Tio Defensivo.

 

 

Essas explicações eram principalmente para o pessoal da Seção de Tiro da AMAN para que dessem continuidade a essa técnica real no lugar do ultrapassado TAT.

 

 

Aliás, vendo as magníficas instalações da Seção de Tiro da AMAN (diversos prédios espalhados em uma imensa área gramada e bem cuidada) fico pensando (e será objeto de documento a ser enviado ao EM do Exército) como o nosso glorioso Exército, no quesito tiro de armas curtas, está tão atrasado.

 

 

 

 

 

 

Todas as corporações em que seus integrantes andam armados tem suas Escolas de Tiro. A Polícia Federal, as Civis, PRF e tantas outras as tem. O Exército tem na Vila Militar a Escola de Equitação do Exército e outras como a Escola de Comunicações do Exército (EsCom) e muitas mais e não tem uma Escola de Tiro, uma Unidade específica para esta finalidade, como se militares não usassem armas portáteis, apenas canhões (EsACosAe).

 

 

 

O instrutor e DSO Major Marcelo Augusto reuniu os participantes e deu algumas explicações sobre técnicas de Tiro Defensivo. Muitos tinham noção do Tiro Prático, modalidade esportiva onde não se precisa abrigar nem se preocupar com os alvos (agressores) parecendo mais uma gincana contra o relógio, além de usarem armas especiais e preparadas para competição.

 

 

No Tiro Defensivo, as pistas de competição representam cenários reais e o atirador tem, primeiro, que se preocupar com sua segurança, se abrigando, e só depois partir para engajamento dos alvos.

 

 

Foi demonstrada uma técnica de Recarga Tática, onde o atirador resolve trocar o carregador AINDA com munição por uma cheio, ficando o mínimo de tempo com apenas a munição da câmara.

 

 

Depois, passamos a correr as três Pistas, onde o instrutor ia passando o briefing e as recomendações de segurança de cada uma.

 

 

Na Pista 2 ficou o Ten Mauro Lúcio de Juiz de Fora...

 

 

 

 

Ele, Major Marcelo Augusto, eu e Ivan, ficamos com a pista três que – por segurança, tinha um complicador que era atirar de dentro de uma viatura, desembarcar e depois correr para paredes de proteção engajando os demais alvos.

 

 

Pista 3 com o atirador Fernando Perez (SP)

 

 

O ideal era que nós, DSO’s que iríamos trabalhar sob o sol escaldante do inverno brasileiro, atirássemos primeiro.

 

 

Mas com o número grande de competidores, eu, o Maj Marcelo e o Ivan, passamos apenas na nossa Pista 3 e deixamos para fazer as duas outras no final, lá pelas 14 horas.

 

 

Honestamente, eu septuagenário, estava quase desfalecendo. Apesar de beber bastante sentia-me desidratado e a cabeça quente com o sol forte onde deixei de usar boné por estar suando abundantemente.

Como, com todas essas dificuldades, ainda consegui um primeiro lugar, cabe a Deus e esse lugar mágico que é a AMAN essa responsabilidade. Ou meus competidores poderiam estar mais afetados que eu...

Antes da premiação, fomos a um dos pavilhões com belas inscrições na parede, mas os atiradores eram tantos que, na foto, cobriram essas imagens e dizeres...

 

 

Enfim, terminados os atletas, fomos ao Circulo Militar da AMAN, junto ao portão lateral, almoçar e confraternizar com os demais DSO’s. O feijão, como disseram alguns, estava divino, parecendo mais uma feijoada, tamanha a abundância de carne seca... Ou seria a fome negra àquelas alturas?

 

 

Depois voltamos para terminar a apuração que era feita pelo DSO Marcelo Trotti em uma planilha, e quando finalmente tivemos o resultado, a demora foi por problemas de identificação de algumas fichas mal preenchidas, fomos para o bonito pódio para as premiações das diversas Divisões e categorias.

O por do sol se advinha magnífico, por detrás da Serra de Itatiaia com o Pico que dá nome à Academia.

 

 

Alguém lembrou que o pódio fora construído em posição errada, de lado para esse belo acontecer. Se tivessem levado isso em conta, teríamos aquele belo cenário de fundo...

 

 

E assim, os agraciados levaram para sua casas as belíssimas medalhas da CBTD que no verso levam o distintivo da AMAN e o nome da competição. 

 

 

 

 


 

Lançado o Manual do Tiro Defensivo.

 

 

No site do Clube de Autores, você pode folhear as primeiras páginas para ver seu conteúdo.  

Trata-se do primeiro Manual (e regulamento) da IDSC publicado em português.  

A venda pela Internet no Clube de Autores

 

 

 

Joomlashack